O que é a Neuromodelação por Radiofrequência | Dr. Rodrigo Gorayeb

Neuromodelação por Radiofrequência

As dores crónicas nas costas são uma das causas mais comuns de consulta médica e idas à urgência, podendo atingir cerca de 70% da população a partir de determinado momento da vida. 

Para além do desconforto que causam e da redução de actividade consequente, comprometem a qualidade de vida. De forma a reduzir estas dores devemos adoptar um estilo de vida saudável, praticar exercício e controlar o peso. Todavia, a existência desta dor crónica não ajuda a cumprir estes objectivos: impede a prática de exercício, contribuindo para o sedentarismo e obesidade. Em casos extremos pode até afectar a actividade social ou sexual. Existindo dores dificilmente se consegue cuidar da saúde e sem cuidar desta… Dificilmente se eliminam as dores nas costas. 

Existem vários tratamentos para este flagelo como a medicação, fisioterapia e até cirurgia. 

A evolução médica trouxe, para alguns casos, uma nova abordagem menos invasiva e mais moderna para a resolução deste problema –  a neuromodulação por radiofrequência. 

Esta técnica consiste no uso de estímulos por ondas rádio, produzidas através de um gerador externo e conduzidas a nervos específicos de forma a controlar a origem dessas dores. 

Realiza-se sob anestesia local ou sedação mínima de modo a garantir o conforto do doente durante o tratamento, com o apoio de raio-x que permite ao médico guiar as agulhas até ao nervo responsável pela dor. A transmissão deste estímulo aos nervos inflamados faz com que estes parem de transmitir a informação dolorosa ao cérebro, reduzindo ou eliminando a dor de costas até 80%. 

Está normalmente indicada para casos de síndrome facetário (inflamação de pequenas articulações na região posterior da coluna). Outras indicações são os síndromes Golpe de Coelho” (dores tardias no pescoço e membros superiores, comuns após acidentes rodoviários) e de Cirurgia Falhada” (dores após uma cirurgia ampla ou com fixação da coluna). 

O alívio da dor poderá reduzir ou até mesmo eliminar a medicação analgésica, promovendo o rápido retorno ao trabalho e a devolução da capacidade de executar as suas actividades. Pode também adiar ou evitar a necessidade de realizar uma cirurgia à coluna.